sexta-feira, outubro 09, 2009

Vinho em Deuteronônio 14:26

Lendo Deuteronômio 14:26, fiquei com uma dúvida: sei que a Bíblia fala sobre bebida forte, mas esse texto dá a entender que está liberado. Por quê? - K.

A palavra “vinho” em Deuteronômio 14:26 é yaîn, e pode significar tanto vinho com álcool quanto sem álcool. Mas como está associado à “bebida forte” (shekar), deve ser com álcool mesmo. O fato é que Deus pegou os israelitas e os tirou da escravidão do Egito, onde eles bebiam o que o patrão egípcio lhes dava, incluindo bebida fermentada. Assim, Deus tolerou o uso de bebidas fermentadas. Mas os profetas falaram contra esse tipo de bebidas (cf. Provérbios 20:1 e Habacuque 2:15). Como “a vereda do justo é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, era plano de Deus que, com o tempo e com mais esclarecimentos, Seu povo deixasse as bebidas alcoólicas. (Para maiores comentários, pesquise o texto no Comentário Bíblico Adventista).

quinta-feira, setembro 10, 2009

Igreja: a imunidade tributária e o dízimo inflacionado

O que a lei diz a respeito de tributação às igrejas e o uso que elas devem fazer dos dízimos e dos meios de comunicação?

No dia 12 de agosto, os principais jornais televisivos do país, mais especificamente a TV Globo, trouxe reportagem sobre denúncia apresentada pelo Ministério Público Paulista, referente à lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, em que o líder da Igreja Universal do Reino de Deus, bispo Edir Macedo, é apontado como principal mentor.

Na reportagem, pode-se ver a metodologia agressiva dos pastores da Universal pedindo e arrecadando cifras enormes, que variavam de R$ 10.000,00 a R$ 100.000,00, com bens móveis e imóveis solicitados aos gritos, no intuito de provocar nos membros a mais completa prodigalidade sem chance alguma para o terreno da razão.

O intuito deste texto é apresentar de forma sucinta o que diz a lei sobre a relação da igreja com os meios de comunicação, a imunidade tributária concedida pela Constituição Federal, e o possível crime de estelionato na arrecadação das ofertas.

É sabido que as igrejas têm proteção constitucional no que se refere à liturgia, forma dos cultos, meios e locais para se expressar, etc. No art. 5, inc. VI, da Constituição Federal, lê-se o seguinte: “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida na forma da lei a proteção aos locais de culto e suas liturgias.”

Depreende-se do referido artigo que a igreja pode usufruir de todos os meios de comunicação na forma da lei, inclusive a televisão, tanto a TV aberta, que é concessão do Estado, como a TV fechada, que comumente dizemos TV paga.

Em que momento, então, pode ocorrer a ilegalidade de determinada igreja no uso de uma concessão pública? No art. 223 da Constituição Federal, encontramos o seguinte texto: “Compete ao Poder Executivo outorgar e renovar concessão, permissão e autorização para o serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens, observando o princípio da complementaridade dos sistemas privado, público e estatal.”

Se buscarmos no próprio texto da Constituição, no art. 19 caput e inc. I, veremos a vedação do Estado no que se refere ao relacionamento dele com as igrejas, texto que se contrapõe ao artigo 223 citado acima, no qual se lê: “Art. 19: É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

“Inc. I: estabelecer cultos religiosos ou igrejas; subvencioná-los; embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público.”

Respondendo à questão suscitada acima, da ilegalidade da igreja em relação ao uso da concessão pública, está claro que igreja alguma pode obter a concessão de um canal de TV e fazer dela uso comercial em concorrência com as demais. Se isso ocorrer, o Estado está passando por cima do texto constitucional privilegiando uma igreja em detrimento de outras e corroborando uma concorrência desleal em que uma igreja pode arrecadar grande volume de dinheiro e transferir para interesses nada ligados ao objetivo primordial da igreja. A igreja não pode estabelecer, à margem da lei, aquilo que extrapola as atividades fim da liturgia e dos cultos. O legislador, ao criar os artigos constitucionais citados, procurou exatamente evitar a comercialização da fé.

Do importante artigo escrito pelo Dr. Ericsom Meister Scorsim, mestre em Direito pela Universidade Federal do Paraná e doutor pela Universidade de São Paulo, sobre o tema em questão, extraio o seguinte parágrafo: “Outro sério problema consiste no desvio dos recursos dos fiéis para o enriquecimento privado dos gestores e controladores da igreja. Se configurada a coação psicológica para forçar a arrecadação de recursos há séria ilegalidade. Uma situação legítima é a expressão e difusão da fé, outra totalmente diferente é a exploração da fé do público. Os administradores que eventualmente pratiquem abusos na gestão da instituição devem ser punidos. Ora, se a TV pertence à igreja, então, obviamente, a programação deve ser compatível com a natureza religiosa. Ou seja, deve estar voltada ao ensino da religião, da cultura, à informação e ao culto. O valor central a ser defendido é o princípio da dignidade humana. Ademais, as televisões religiosas não escapam da vinculação aos princípios constitucionais catalogados no art. 221 da Constituição” (“Igrejas na televisão: acesso e limites. Da fé no mercado ao mercado da fé?” Texto extraído do Jus Navigandi).

Outra questão a ser abordada seriamente aqui é a imunidade tributária a que as igrejas têm prerrogativa. Citando ainda a Constituição Federal, o legislador estabeleceu, visando preservar o alto serviço social que a igreja presta em nossa sociedade, prover, em contrapartida, a isenção relativa a alguns tributos, compensando assim os serviços prestados pela igreja naquilo que o Estado dividiu com os entes religiosos, a saber o fim social.

Estabelece a Constituição Federal, em seu art. 150 caput, inc. II, inc. VI, alínea b e parágrafo 4, o seguinte: “Art. 150: Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

“Inc. II: instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, proibida qualquer distinção em razão de ocupação profissional ou função por eles exercida, independentemente da denominação jurídica dos rendimentos, títulos ou direitos;

“Inc. VI: instituir impostos sobre:

“alínea b: templos de qualquer culto

“Parágrafo 4: As vedações expressas no inciso VI, alíneas b e c, compreendem somente o patrimônio, a renda e os serviços, relacionados com as finalidades essenciais das entidades nela mencionadas.”

O texto constitucional é bem claro no que diz respeito à isenção tributária e à imunidade. Primeiramente, o texto estabelece que não deve existir um contribuinte em igualdade com outro e receber tratamento diferenciado. Determinada igreja recebe a imunidade tributária, mas faz uso comercial da arrecadação do dinheiro dos membros investindo em bens móveis, imóveis, adquire canal de TV e comercializa sua programação completamente fora do seu propósito religioso. Estamos diante de uma ilegalidade constitucional.

É claro o texto também quando diz onde deve recair a imunidade dos tributos. Estabelece a lei que será vedada a cobrança somente no patrimônio, na renda e nos serviços relacionados com as finalidades essenciais da igreja. Portanto, não pode a igreja desvirtuar tal benefício em prol de coisas que não estejam estritamente ligadas ao objetivo e propósito de sua existência: o de levar a fé e o conforto espiritual dentro do seu templo. A igreja não está impedida de usar nenhum meio de comunicação, desde que seu uso seja estritamente espiritual e de acordo com a sua filosofia e seu propósito como igreja. Cito ainda o Dr. Scorsim, que diz em outro parágrafo:

“A meu ver, a lei não proíbe que as igrejas acessem a atividade de televisão. É proibido, isto sim, que as organizações religiosas sejam proprietárias de emissoras de televisão. Reprise-se que não é admissível que elas possuam emissoras comerciais, isto é, com finalidades lucrativas. A igreja não é um negócio, nem um instrumento para o enriquecimento privado. Também, não pode servir como plataforma eleitoral para candidatos a cargos públicos. Se uma determinada organização com fins religiosos mantiver uma televisão comercial haverá desvio de finalidade” (texto extraído do Jus Navigandi).

Concluindo, gostaria ainda de trazer a lume algumas práticas de arrecadação do dinheiro dos fiéis que podem estar à margem da lei. Na reportagem citada acima, vi bispos e pastores de determinada igreja praticamente leiloando a fé dos membros pedindo altas cifras para a igreja. É bom lembrar o texto bíblico de Malaquias 3:10, no qual está embasada a devolução do dízimo pelos fiéis e pelo qual Deus orienta a matemática da cobrança dos rendimentos:

“Trazei todos os dízimos ao tesouro do templo, para que haja mantimento na Minha casa, e provai-me nisto, diz o Senhor dos exércitos, e vede se não abrirei as janelas do céu e não derramarei sobre vós bênçãos, que não conseguireis guardá-las.”

Infelizmente, algumas denominações se afastam do critério bíblico inflacionando o dízimo e recaem muitas vezes na prática do crime de estelionato, conforme está disposto em nosso Código Penal. Diz o texto penal em seu art. 171: “Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento:

“Pena – reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos e multa.”

Muitas pessoas se deixam levar pela promessa de recursos abundantes mediante a doação de bens móveis, imóveis e dinheiro, querendo dessa forma que Deus triplique suas posses materiais. Não há embasamento bíblico para isso, e se pessoas são instadas a fazer isso mediante apelo psicológico, técnicas de oratória e irresistível emoção, pode-se estar diante do crime de estelionato.

(Livingston Santos Streck, bacharel em Direito)

segunda-feira, setembro 07, 2009

Gênesis é um relato literal?

Gostaria que vocês comentassem sobre o texto de Reinaldo José Lopes, publicado no site Globo.com, no dia 16 de maio de 2009. – L.

1. Jesus confirmou a historicidade do Gênesis ao citá-lo como sendo um livro literal. E jamais entendeu que houvesse “dois relatos da criação”. Ao dizer que o ser humano foi criado, nem passou pela mente do Salvador a ideia absurda de que pudessem existir contradições na Bíblia. Veja o texto a seguir: “Então, respondeu Ele: Não tendes lido que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher e que disse: Por esta causa deixará o homem pai e mãe e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne? De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mateus 19:4-6).

Duvido que Lopes saiba mais sobre a Bíblia – e a cultura hebraica – do que o próprio Jesus Cristo...

2. Pedro também reconheceu a literalidade do Gênesis ao fazer menção ao Dilúvio: “...os quais, noutro tempo, foram desobedientes quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca, na qual poucos, a saber, oito pessoas, foram salvos, através da água” (1 Pedro 3:20).

3. Paulo – homem de grande cultura acadêmica para os dias dele – também acreditava que o Gênesis era literal ao mencionar Adão e citar Gênesis 2:7: “Pois assim está escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito alma vivente. O último Adão, porém, é espírito vivificante” (1 Coríntios 15:45).

4. Gênesis faz parte do Pentateuco – coleção de cinco livros históricos. Ambos apresentam narrativas de fatos que realmente aconteceram e jamais o autor (Moisés) quis dar ao que escreveu qualquer tom de “poesia” associada a “simbolismo”.

5. O fato de o Criador ser mencionado como “Deus” no capítulo 1 e “Senhor Deus” no capítulo 2 não apresenta problema algum na mente de quem estuda a Bíblia com sinceridade. Por que Deus não poderia ser chamado de maneira diferente, sendo que Ele possui vários nomes na Bíblia que descrevem o caráter dEle? Argumento muito simplista o do autor do artigo!

6. O verso 4 do capítulo 2 é a conclusão do relato do capítulo 1! Será que Reinaldo José Lopes não sabe que a divisão da Bíblia em capítulos e versículos veio posteriormente e que o fato de uma frase estar noutro capítulo não indica necessariamente o começo de um novo relato?

7. Segundo o Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, “de maneira alguma se pode considerar que o capítulo 2 seja outra versão do relato da Criação, do capítulo precedente. Seu propósito é colocar Adão e Eva em seu lugar no jardim do Éden, e isso é feito para proporcionar [ao leitor] informação adicional”. É por isso que não há no capítulo 1 a informação de que a mulher foi feita da costela de Adão.

8. A respeito do verso 5 – pelo qual o autor do artigo julga apresentar uma “prova” de que o relato é contraditório – afirma o comentário supracitado: “Os versos 4-6 antecipam a criação do homem descrita no verso 7, ao detalhar brevemente a aparência da superfície da terra, particularmente com respeito à vegetação, pouco antes de o ser humano ter sido formado no sexto dia da semana da criação.” O articulista deveria usar comentários bíblicos fiéis no estudo da Bíblia para não escrever coisas que não têm apoio algum com base nas regras da hermenêutica.

9. O uso do verbo plural “façamos”, em Gênesis 1:26, não é um diálogo entre Deus e Seus “conselheiros angélicos” porque os anjos não têm a prerrogativa de serem criadores (cf. Hebreus 1:14). A Bíblia apresenta a Deus como único Criador (Malaquias 2:10). O verbo no plural nos ajuda a entender o porquê de o nome Deus no primeiro versículo ser usado em forma plural (Elohim): a Trindade estava envolvida na Criação – ver João 1:1-3, Jó 33:4 e Salmo 104:30 (o tal “plural majestático”, sim, é uma lenda! Se Lopes prefere acreditar nisso...).

10. A declaração a seguir do articulista também é de pasmar: “O mandamento de guardar o sábado, na maioria dos textos bíblicos, como em Deuteronômio 5, 12-15, não usa a Criação como justificativa, o que parece indicar que a ideia foi introduzida de forma tardia na cultura israelita.”

Isso não tem cabimento. Antes de a Lei ser dada no Sinai, o povo já sabia que o sábado deveria ser celebrado como memorial da Criação. Basta ler o episódio do maná em Êxodo 16. Em Deuteronômio 5:12-15, Deus apresenta apenas uma razão adicional para eles observarem o sétimo dia: por terem sido escravos no Egito, deveriam descansar e dar descanso a qualquer pessoa que estivesse sobre a jurisdição deles.

Em Deuteronômio 5:12-15, há também uma aplicação teológica vital para os cristãos de hoje: assim como o povo Israelita observou o sábado também por ter sido liberto da escravidão do Egito, hoje devemos celebrar o sábado também por Deus nos ter libertado da escravidão do pecado por meio de Jesus Cristo (João 8:36).

11. Portanto, a frase “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come” se aplica a Lopes, pois ele tem duas opções: aceitar o que Deus ensina sobre a Criação dEle ou ficar ao lado de Charles Darwin.

E, para finalizar: todo criacionista esclarecido jamais nega a importância da ciência e da explicação evolucionista a respeito da microevolução. O que não aceitamos – assim como os Pais da Ciência e muitos cientistas atuais – é a macroevolução, que jamais foi vista em laboratório...

(Leandro Quadros, jornalista e consultor bíblico da Novo Tempo)

quinta-feira, agosto 13, 2009

Análise do tratado Brasil-Vaticano

Quais as implicações e o que propõe o acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé referente ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil?

I. Introdução

Trataremos de um assunto pouco comentado na mídia nestes últimos dias sobre o acordo assinado por ocasião da audiência privada no Vaticano entre o Presidente Luis Inácio Lula da Silva e Sua Santidade o Papa Bento XVI, no dia 13 de novembro de 2008. Há opiniões de juristas que ora defendem a inconstitucionalidade desse Estatuto bem como outros a total constitucionalidade a ser referendado pelo Congresso Nacional. No meio religioso permeiam também criticas ao Estatuto sob a bandeira do estado laico e da democracia que nossa Constituição nos aufere.

Antes, porém, de nos posicionarmos em relação à constitucionalidade ou não desse Estatuto, é necessário o entendimento político das relações bilaterais dos países, quais os tramites e caminhos que devem percorrer os tratados a serem incorporados em nossa Constituição e, por fim, os interesses e consequências do tratado em questão se for referendado pelo Congresso Nacional.

Duas perguntas são necessárias para o entendimento desta análise: É legitimo esse tratado entre o Estado Brasileiro e o Vaticano? O tratado jurídico proposto pelo Vaticano, se referendado pelo Congresso Nacional, é Constitucional? Eis o que desejamos responder à luz da Constituição Federal Brasileira.

II. Formação da Santa Sé e prerrogativas como Estado

É mister registrar a criação do Estado da Santa Sé que se deu em 1929 pelo Tratado de Latrão, quando sob o governo de Benito Mussolini juntamente com o Papa Pio II estabeleceram a criação desse Estado, tendo como o Pontífice seu dirigente maior elevado a chefe de Estado. Portanto, temos na história um território com pouco mais de 1 km quadrado, encravado dentro do Estado Italiano com todas as prerrogativas de Estado mesmo que em sua essência estejam os interesses da Igreja Católica Apostólica Romana.

Como Estado, pode ele então firmar tratados com outros países. Em relação ao Brasil, nossa Constituição diz no seu Art. 84, inc. VIII, que:

“Art. 84 Compete privativamente ao Presidente da República:
Inc. VIII Celebrar tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional.”


Nada há o que impeça o Brasil de celebrar a priori tratados e convenções com a Santa Sé, pois se trata de dois Estados com prerrogativas e independência para tal. Importante frisar que a Santa Sé é uma pessoa jurídica de direito internacional e independente do seu interesse maior de salvaguardar os preceitos religiosos oriundos da formação do Estado em questão, não há impedimento de tratativas entre os dois entes.

III. O Brasil como Estado laico

O que tem suscitado questionamentos por parte de representantes evangélicos e de pessoas que estão atentas a esse tratado que foi proposto com pouca divulgação no País, principalmente por seu representante máximo, é a laicidade do Estado brasileiro e o possível desrespeito a essa premissa constitucional, senão vejamos:

No art. 19 da Constituição Federal, lê-se: “É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

“Inc. I: estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma de lei, a colaboração de interesse público;

“Inc. III: criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si."


Note-se que o referido artigo estabelece aos entes políticos o não envolvimento a quaisquer ideologias ou denominação religiosa, quer seja subvencionando ou embaraçando o seu funcionamento. Atente-se, porém, no fim do inciso I, que ressalvada, na forma de lei, a colaboração de interesse público, isso quer dizer que o Estado terá supremacia quando se tratar de interesse maior no interesse público em buscar força ou auxilio nas questões pertinentes àquilo que porventura lhe faltar para atender demandas supra com e na forma de lei através dos representantes do povo.

No artigo 5 da Constituição Federal, temos os direitos, deveres e garantias fundamentais nas quais são asseguradas inúmeras prerrogativas que atendem e protegem individualmente o cidadão brasileiro desde a garantia do seu salário até a inviolabilidade da sua vida. Dentro dessas garantias, encontra-se o direito à crença, à religião, seja ela qual for, inclusive, há de se ressaltar, o direito a não crer também. Nesse artigo encontramos a laicidade subjetiva que é o direito individual do cidadão a não se submeter a nenhuma força religiosa através de coação ou imposição do Estado. É o que depreendemos in verbis:

Art. 5, inc. VI: “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias;

“Inc. VIII: ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;”


É mais do que claro, segundo esse artigo, que o cidadão e a sociedade brasileira têm amparo legal no que diz respeito à pratica e a liturgia religiosa sendo vedado qualquer tipo de interferência, quer seja através do próprio Estado, de denominação religiosa, seja ela qual for, e de tratados internacionais, sejam eles de que país forem. Não fazemos alusão somente à Igreja Católica, pois lembramos que há vários países fundamentalistas em que religião e Estado se fundem.

IV. Cláusulas Pétreas e Direitos e Garantias Fundamentais

Há de se destacar aqui talvez o ponto mais importante da Constituição Brasileira que todos devem ter conhecimento. Nossos legisladores, chamados de Poder Constituinte Originário, ao elaborarem a carta magna (Constituição), tiveram a preocupação de preservar algumas normas constitucionais que não podem ser alteradas sob nenhuma forma. Encontra-se no Art. 60, parágrafo 4 da CF, assim exposto:

Parágrafo 4: “Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:

I – a forma federativa de Estado;
II – o voto direto, secreto, universal e periódico;
III – a separação dos Poderes;
IV – os direitos e garantias individuais.


Nenhuma das cláusulas que compõem o parágrafo 4 do Art. 60 da Constituição podem ser alteradas pelos meios legais estabelecidos pela própria Constituição. Evidentemente que estamos tratando de um Estado de Direito em que a Constituição é respeitada pelos poderes e em nome do povo ela é suprema. Em passado recente, sabemos que muitos direitos foram suprimidos em decorrência da ditadura militar em que o poder sai da representatividade do povo e vai para as mãos de golpistas e contrários ao Estado de Direito.

A ser preservada a carta magna nos moldes atuais, deverão ser respeitadas as cláusulas em questão, principalmente o inciso IV, que trata dos direitos e garantias individuais. Esse inciso está contemplado no extenso artigo 5 da Constituição, no qual se encontram os incisos VI e VIII, que tratam da liberdade religiosa. Portantom nenhum tratado terá validade ou algum poder de se sobrepor ao já estabelecido.

V. Estatuto Jurídico da Igreja Católica e sua Inconstitucionalidade

O Estatuto Jurídico da Igreja Católica possui em sua redação 20 artigos. Analisando um a um esses artigos, é perceptível que muitos deles estão de acordo com a legislação brasileira de modo que não conflitam com nossas leis. Porém, há determinados artigos, tais como o Art. 11, que se confrontam com nossa legislação, a saber:

Art. 11: “A República Federativa do Brasil, em observância ao direito de liberdade religiosa, da diversidade cultural e da pluralidade confessional do País, respeita a importância do ensino religioso em vista da formação integral da pessoa.
§1º. O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação.”


Exatamente onde deve prevalecer o Estado laico, que é nas instituições públicas em que não deve haver supremacia e imposição ideológica de uma denominação religiosa, quiçá fundamentos filosóficos, éticos e morais, a Igreja Católica tenta resgatar o ensino religioso como no passado em que, eu mesmo, na minha formação primária, tive que me submeter às liturgias católicas tendo outra formação religiosa antagônica aos princípios católicos.

Os artigos 8, 9, 11, 14, 15, 17 e 18 do referido Estatuto, a meu juízo, ferem o principio do Estado laico, portanto, confrontam a lei maior que é nossa Carta Magna. Não deve ser referendado pelo Congresso Nacional por ser inconstitucional e por afrontar e desrespeitar a isonomia e o pacifico relacionamento entre a diversidade cultural e religiosa de nossa sociedade.

Se, porventura, nossos legisladores referendarem esse Estatuto, e para não nos tornamos reféns do mesmo, temos ainda remédio constitucional disposto nos Art. 103 e 102, respectivamente, da Constituição Federal, que dizem:

Art. 103: “Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade.

“Inc. IX: confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional

Art. 102: “Compete ao Supremo Tribunal Federal precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:

Inc. III, alínea b: declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei federal.


Meu desejo é demonstrar que mesmo havendo risco de sofrermos imposição legislativa oriunda de uma força ou poder religioso, ainda temos mecanismos de defesa ofertados pela própria Constituição de que deve ser respeitada como principio e fundamento de uma sociedade organizada que zela por suas leis. Se os evangélicos se sentirem preteridos pelo Estatuto, podem propor essa ação de inconstitucionalidade que ficará a cargo do Supremo Tribunal Federal julgar.

Se hipoteticamente for referendado o Estatuto e o STF julgar improcedente uma ação direta de inconstitucionalidade impetrada por evangélicos, é bom lembrar que cada cidadão ainda assim terá como cláusula pétrea o direito à liberdade religiosa e poderá arguir sempre que necessário o seu direito quando o mesmo se manifestar contrário ao seu interesse. Nenhum estudante poderá ser constrangido em instituições públicas a ter que se submeter a liturgias, rezas e orações, se as mesmas não fizerem parte de sua formação. Entendo que esse direito abrange toda a estrutura educacional, mas me atenho ao público onde o Estado se manifesta em principio.

VI. Conclusão

Portanto não há o que temer em relação a esse Estatuto. Nenhum Estado estrangeiro pode impor em nosso país qualquer mudança dentro das cláusulas pétreas estabelecidas. Nem doutrina religiosa, nem dia de guarda, nem matérias educacionais, etc.

Questiono a constitucionalidade dos feriados nacionais religiosos, herança de um passado em que o Estado tinha forte envolvimento com a igreja e por isso foram instituídos por lei, hoje seguidos e respeitados por todos, católicos, evangélicos, ateus e demais. Se somos contrários as regras de uma igreja que podem ser impostas a grande parte da sociedade, deveríamos questionar outras regras que aparentam ser um benefício. Seria um princípio de coerência. Se refutamos o ônus por que nos agraciaríamos com o bônus? É outra discussão que merece outro espaço e pesquisa.

O intuito desta análise foi contribuir e esclarecer as pessoas que porventura tenham dúvidas em relação a esse Estatuto, e as consequências, se for referendado, e por ter lido algumas opiniões que não se coadunam principalmente com a Constituição Federal que defendo ardorosamente e, mesmo numa linguagem jurídica, procurei ser o mais claro e sucinto possível, apesar de não ser fácil a clareza quando se aborda um assunto que requer um pouco da técnica jurídica. De qualquer maneira, acredito num país que respeita sua Constituição e teríamos um país melhor se as pessoas conhecessem mais seus direitos e fizessem valer o que está contido na Carta Magna.

(Livingston Santos Streck é bacharel em Direito)

Importante: sugiro a todos os prezados amigos cidadãos que enviem suas manifestações aos nossos representes políticos para que saibam que estamos atentos às questões que nos dizem respeito.

Senado Federal – www.senado.gov.br
Câmara dos Deputados – www.camara.gov.br
Congresso Nacional – www.congresso.gov.br

quarta-feira, agosto 05, 2009

A “meia-mentira” de Abrão

Gênesis 12:10 trata da ida de Abrão e Sarai ao Egito. Na ocasião, Abrão mente ao faraó dizendo que Sarai era sua irmã, dando a entender que ele tinha medo, sem plena confiança na proteção de Deus. Você acha que Deus aprovou a mentira de Abraão, nesse caso? Se o rei do Egito foi enganado, por que então Deus castigou o rei e a casa real? Deus não estaria sendo injusto? – D.

Na verdade, Abraão era meio-irmão de Sara (Gn 20:12) e possivelmente tenha pensado em ganhar tempo com a ocultação da verdade. Ele pode ter pensado assim: Se algum homem desta terra quiser desposar Sarai, posso estender o tempo do noivado até o fim da época de fome e escaparmos seguros antes do casamento. O que o patriarca não deve ter previsto é que o próprio faraó se interessaria por ela, e o monarca não ficaria esperando nem aceitaria um não como resposta. A decisão de ir para o Egito foi inteiramente de Abrão. Não o vemos consultando a Deus antes de ir para lá, nem mesmo construindo um altar no Egito, o que deixa claro que Abrão, nesse momento, escolheu agir independentemente. É o tipo de acontecimento que reforça a credencial divina da Bíblia. Se fosse um livro comum, ela apenas enalteceria os grandes feitos de seus heróis. Mas não, a Bíblia também relata seus desvios de conduta, sua falta de fé, e, com isso, nos dá esperança (como pecadores que somos) e a certeza de que Deus é misericordioso.

Não temos como saber exatamente o tipo de praga que se abateu sobre a casa de faraó, mas entendemos que a intervenção dramática de Deus visava a ensinar que o pecado que poderia ter sido cometido é grave aos olhos do Senhor. E faraó (além de Abrão) entendeu bem a lição.

Com certeza, o mesmo Deus que disse “não levantarás falso testemunho” (Êx 20:16) não aprovaria a atitude desonesta de Seu filho. Mesmo assim, Yahweh conduziu Abrão até “ao lugar do altar, que outrora tinha feito; e aí Abrão invocou o nome do Senhor” (Gn 13:4). Deus ensinou uma profunda lição ao Seu filho – de que não devemos seguir caminhos tortuosos e adotar a ética circunstancial – ao mesmo tempo em que o conduziu de volta ao caminho correto: o da dependência do Céu.

Michelson Borges

sexta-feira, julho 03, 2009

O "bom" ladrão foi ao Céu após a morte?

Como entender a promessa de Jesus ao ladrão, em Lucas 23:43, de que ele estaria no Paraíso "hoje"? - L.

Primeiramente, é bom lembrar que na língua original em que o Novo Testamento foi escrito (o grego), não existe pontuação como vírgulas. Assim, o texto tanto poderia ser "em verdade te digo, hoje estarás", quanto "em verdade te digo hoje, estarás", o que muda completamente o sentido. Como saber qual a pontuação correta? Simples. É só verificar em João 20:17 que três dias após Sua morte, Jesus ainda não tinha ido ao Paraíso (Céu). Como então poderia ter prometido isso ao ladrão convertido? Note que o próprio ladrão sabia que não iria ao Céu imediatamente após a morte, já que pediu para Jesus lembrar-se dele QUANDO VIESSE EM SEU REINO, ou seja, na segunda vinda de Cristo. Em Deuteronômio 30:16 e 18 você encontra frases semelhantes à de Lucas 23:43, evidenciando que era comum dizer "em verdade te digo hoje", ou, numa linguagem mais semelhante à nossa: "Hoje, agora, neste momento te digo a verdade."

Michelson Borges

quarta-feira, julho 01, 2009

Importa realmente o que vestimos?

"Qual o tipo de vestuário mais apropriado ao cristão?" - D.

Quando se fala em qual deve ser o vestuário adequado para o cristão, muitos vão logo pensando na velha controvérsia da calça x saia. Porém, esta é uma visão limitada e preconceituosa. O vestuário do verdadeiro cristão envolve questões muito mais profundas do que a simples escolha de um traje. Deus não é etnocêntrico, ou seja, não adota uma cultura específica para servir de padrão a todas as outras.

Na história da humanidade, registrada nas Sagradas Escrituras, podemos ver nitidamente Deus respeitando as culturas de cada época e região, mesmo quando estas se revelaram inadequadas e não colaboraram para a felicidade humana.

Hoje não é diferente. Ele aceita que nossos irmãos das mais diversas culturas do mundo O adorem e sirvam com sua vestimenta peculiar. Por isso, jamais poderíamos chegar a uma dessas igrejas impondo nosso estilo de vestir como ideal. Pense no que aconteceria caso um irmão de certa tribo africana quisesse obrigar um brasileiro a ir à igreja vestindo túnicas longas. Isso traria escândalo ou, na melhor das hipóteses, risos.

É por esse motivo que Deus não escolhe uma roupa específica para usarmos. No entanto, Ele deixou princípios universais para serem seguidos por todas as pessoas de todas as épocas e culturas. E são justamente esses princípios que devem nos levar a usar roupas que sejam condizentes com nossa fé.

“Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1Co 10:31 [grifo meu]). Esse deve ser o princípio áureo de quem quer agradar a Deus. Tudo o que fizermos – inclusive o vestuário que usamos – deve glorificar a Deus. Na Bíblia, encontramos ainda outras preciosas orientações com relação à roupa que glorifica ao Criador: “Da mesma forma que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro ou pérolas, ou vestuário dispendioso” (1Tm 2:9). “Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário” (1Pd 3:3).

Deus é glorificado quando nossa roupa não chama atenção para nós mesmas(os) e nos apresenta apenas como vasos de barro, contendo valioso tesouro. É claro que isto não é válido somente para as mulheres. Foi o contexto da época que fez com que os apóstolos Pedro e Paulo assim escrevessem.

Já ouvi muitos dizerem que não importa o que vestimos, o importante é o que vai no coração. Mas, com certeza, o que vai no coração também se revela em nosso exterior. Até nossa personalidade pode ser avaliada, em parte, através daquilo que vestimos. A roupa que usamos demonstra a forma como queremos que os outros nos vejam. E esta é a questão crucial. Se já não sou mais eu quem vive e Cristo vive em mim, como será minha roupa? Quero que me apreciem e me achem atraente, bonita(o), sedutora(o), ou quero que, ao me olharem, vejam a simplicidade, modéstia, decência, asseamento e bom gosto que eram vistos em Jesus?

Vejamos o que Ellen White diz sobre isso: “Nossas palavras, ações, vestidos, são pregadores vivos, juntando com Cristo, ou espalhando. Isto não é coisa insignificante, para ser passada por alto com um gracejo. A questão do vestuário exige séria reflexão e muito orar” (Testemunhos Seletos, v. 1, p. 596). “Os que se apegam aos adornos proibidos na Palavra de Deus, nutrem orgulho e vaidade no coração. Desejam atrair a atenção. Seu vestuário diz: Olhem para mim, admirem-me. Assim cresce decididamente a vaidade no coração humano, devido à condescendência” (Ibidem, p. 599).

Temos que tomar cuidado para não nos secularizar e nos conformar com os costumes do mundo. A cultura e os costumes são muito dinâmicos. O que há vinte anos era considerado indecente, hoje é aceito com naturalidade. O nudismo e o erotismo não causam mais espanto. Até as crianças estão sendo corrompidas debaixo dos narizes dos pais.

Ainda que estranhos para a (i)moralidade atual, os princípios de Deus continuarão sendo sempre os mesmos. Não podemos nos deixar levar pelas modas do mundo quando elas ferem a representação adequada do caráter de Deus. Ellen White nos faz uma preciosa advertência: “Muitos se vestem como o mundo, a fim de exercerem influência sobre os incrédulos; nisto, porém, cometem lamentável erro. Caso eles queiram ter influência real e salvadora, vivam segundo sua profissão de fé, mostrem essa fé pelas obras de justiça, e tornem distinta a diferença entre o cristão e o mundano. As palavras, o vestuário, as ações, devem falar em favor de Deus” (Ibidem, p. 594).

Quando Cristo entra no coração, há uma transformação completa, e o vestuário jamais contradiz aquilo que professamos. “Quando a mente está firme na idéia de apenas agradar a Deus, desaparecem todos os desnecessários embelezamentos pessoais” (Ibidem, p. 599).

Por tudo isso, vemos que vestir-se corretamente não é questão tão simples como a escolha de uma saia ou de uma calça – o que seria muito fácil. Na verdade, esse é um assunto que envolve genuína conversão e desprendimento do mundo. Devemos escolher usar a roupa que melhor represente o cristianismo de acordo com a cultura da época e da região em que vivemos.

Antes de sair, olhe-se no espelho e peça para Jesus avaliar se sua roupa é a mais adequada. Com certeza Ele irá mostrar e lhe dará forças para vencer os ditames deste mundo.

Nunca esqueça: como tudo na vida cristã, a vestimenta correta é resultado da comunhão com Cristo. Se tentarmos fazer o contrário (corrigir hábitos sem comunhão), estaremos fadados ao fracasso e à infelicidade. Para todo mal, Jesus é a solução. E só Jesus!

(Débora Tatiane Martins Borges é pedagoga)

segunda-feira, junho 22, 2009

Jesus e C. S. Lewis - mitologia na pregação?

Michelson, qual a opinião de Ellen G. White sobre os contos de fadas? Estou lendo o livro A Antropologia Filosófica de C. S. Lewis que fala bastante sobre As Crônicas de Nárnia. E é interessante o fundo cristão da obra, o simbolismo do leão Aslam com Cristo, na verdade, é um livro que parece ser altamente cristão. Claro que deve ser encarado como uma parábola. A questão é que Jesus contou uma parabola em que demonstra fatos irreais como inferno, contato entre mortos do inferno e do céu, etc. Porque C. S. Lewis não poderia fazer o mesmo? - P.

De fato, Ellen White não é muito favorável à ficção. Mas o que Lewis fez até considero válido, embora creia que, como adventistas, podemos focalizar melhor nossa pregação por meio de parábolas, como Jesus fez. Note que o Mestre não Se demora muito na crendice do povo da época (o inferno) e passa logo para a lição espiritual que queria dar, a misericórdia. Lewis se "diverte" longamente com a mitologia e passa a mensagem cristã de maneira mais discreta do que Jesus. Talvez resida aí a grande diferença na abordagem de ambos. Para tornar mais relevante a mensagem que devemos pregar, podemos utilizar elementos da cultura que nos rodeia, desde que isso seja feito com muito critério e equilíbrio necessários para discernir o que é utilizável e o que não é.

Note o que escreveu Ellen White:

"Há obras de ficção que foram escritas com o objetivo de ensinar verdades ou expor algum grande mal. Algumas dessas obras têm feito bem. Têm, por outro lado, operado indizível dano. Encerram declarações e descrições altamente elaboradas, que despertam a imaginação e suscitam uma corrente de pensamentos repleta de perigo, especialmente para os jovens. As cenas descritas são repetidamente vividas em sua imaginação. Tais leituras incapacitam a mente para a utilidade, tornando-a inapta para os exercícios espirituais. Destroem o interesse na Bíblia. As coisas celestiais pouco lugar encontram nos pensamentos. À medida que a mente se demora nas cenas de impureza descritas, desperta-se a paixão, e o fim é o pecado" (A Ciência do Bom Viver, p. 445 - grifos meus).

"Mesmo a ficção que não contém nenhuma sugestão de impureza, e que visa a ensinar excelentes princípios, é nociva. Anima o hábito da leitura apressada e superficial, unicamente pela história. Tende assim a destruir a faculdade de pensar com coerência e vigor; incapacita a alma para a contemplação dos grandes problemas do dever e do destino. Alimentando o amor de mera distração, a leitura de ficção cria aversão pelos deveres práticos da vida" (Conselhos aos Pais, Professores e Estudantes, p. 383 - gifos meus).

Michelson Borges

domingo, junho 21, 2009

Deus descansou ou trabalhou no sétimo dia?

Certa vez me fizeram a seguinte pergunta: Em quantos dias Deus criou o Céu e a terra? Respondi que foi em seis dias literais. Só que a pessoa argumentou que em Gênesis 2:1 e 2 diz: "E havendo acabado no dia sétimo", ou seja, ele queria dizer que foi em sete dias, porém, mostrei o mandamento sobre o sábado que diz que "em seis dias fez o Senhor Deus o céu e a terra..." e "no sétimo dia descansou". Não é difícil responder essa pergunta, só que eu gostaria de receber um comentário sobre esse texto para ter opinião bem formando sobre o assunto. – V.

A Bíblia não se contradiz. Se o quarto mandamento diz que a obra da Criação (ao menos no que diz respeito à Terra) durou seis dias (ver Êxodo 20:11), essa declaração está em harmonia com os seis dias da Criação, em Gênesis 1. Veja que em Gênesis 2:1, antes de Deus descansar no sétimo dia, Ele já havia acabado “os céus e a terra e todo o seu exército”. Quando o verso 2 diz que “havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra”, o autor bíblico está dizendo que quando chegou o sétimo dia, a obra de Deus já estava concluída. A Bíblia é clara em dizer que Deus “descansou” no sétimo dia. Ora, se descansou, então Ele não trabalhou nesse dia.

sábado, junho 20, 2009

Jesus e a mitologia pagã

Na verdade eu só tenho uma pergunta, e, para ser franco, ela me frustra inúmeras vezes. Acontece quase todas as vezes que eu debato cristianismo com alguém. A pergunta: “Jesus é um mito copiado ou uma pessoal real?” é a fonte de objeção que eu recebo a maioria das vezes. Eles listam todas as similaridades entre Jesus e outros deuses e constelações mitológicos e dizem “Vê como são parecidos?” Parece que não importa como eu refuto certa similaridade entre Cristo e outra crença mitológica, eles não levam muito a sério o que digo, porque respondem que “eu tenho trabalhado muito duro para salvar minha religião”. Esses argumentos são sólidos? Eles sequer são debatidos nos altos níveis acadêmicos ainda? Eu realmente gostaria de saber sua visão nesse ponto, pois continuo trombando nisso e francamente estou cansado de tentar refutar cada similaridade. - K.

Dr. William Lane Craig responde:

O falecido Robert Funk, fundador do radical Seminário Jesus, reclamava amargamente do abismo que existe entre os principais estudos e as crenças populares sobre Jesus. Funk pensava principalmente sobre a distância entre o pietismo popular e o conhecimento histórico sobre Jesus; mas em lugar algum o abismo é tão grande como entre a irreligiosidade popular e os estudos sobre o Jesus histórico.

O movimento do Pensamento Livre, que alimenta a objeção popular que as crenças cristãs sobre Jesus são derivadas da mitologia pagã, está empacado entre os estudos do final do século XIX. De certa forma isso é impressionante, já que existem muitos estudiosos contemporâneos céticos, como os do Seminário Jesus, cuja obra os livre pensadores poderiam utilizar a fim de justificar seu ceticismo sobre a compreensão tradicional de Jesus. Mas isso só serve para mostrar como esses popularizadores não têm contato com o trabalho de estudiosos sobre Jesus. Eles estão um século desatualizados.

Voltando à época da chamada escola de História de Religiões, estudiosos em religiões comparadas encontraram paralelos a crenças cristãs em outras religiões, e alguns pensaram em explicar que essas crenças (incluindo a na ressurreição de Jesus) foram influenciadas por esses mitos. Hoje, no entanto, raramente algum estudioso pensa em mitos como uma categoria importante para se interpretar os Evangelhos. Os estudiosos perceberam que a mitologia pagã é simplesmente o contexto interpretativo errado para se compreender Jesus de Nazaré.

Craig Evans chama essa mudança de o “Eclipse da Mitologia” na pesquisa sobre a vida de Jesus (veja seu artigo excelente “Life-of-Jesus Research and the Eclipse of Mythology”, Thelogical Studies 54 [1993]: 3-36). James D. G. Dunn começa assim seu artigo sobre “Mitos” no Dicionário de Jesus e dos Evangelhos (IVP, 1993) com a clara rejeição: “Mito é um termo de, pelo menos, relevância duvidosa para o estudo de Jesus e dos Evangelhos.”

Algumas vezes essa mudança é referida como a “rejudaização de Jesus”, pois Jesus e Seus discípulos eram judeus do primeiro século, e é contra esse pano de fundo que devem ser compreendidos. A rejudaização de Jesus tem ajudado a tornar injustificada qualquer compreensão do retrato dEle nos Evangelhos como influenciado significativamente pela mitologia.

Essa mudança é proferida em relação à historicidade dos milagres e exorcismos de Jesus. Estudiosos contemporâneos podem não estar mais preparados para acreditar no caráter sobrenatural dos milagres e exorcismos de Jesus do que os estudiosos de gerações anteriores. Mas eles não estão mais dispostos a atribuir essas histórias à influência dos mitos gregos do homem-divino (theios aner). Antes, os milagres e exorcismos de Jesus devem ser interpretados no contexto das crenças e práticas judaicas do primeiro século. O estudioso judeu Geza Vermes, por exemplo, tem chamado a atenção aos ministérios dos realizadores de milagres e/ou exorcistas carismáticos Honi “o desenhista de círculos” (primeiro séc. a.C.) e Hanina ben Dosa (primeiro séc. d.C.) e interpreta Jesus de Nazaré como um judeu hassídico ou um santo. Hoje o consenso dos estudos sustenta que a realização de milagres e exorcismos (apoiando a questão de seu caráter sobrenatural) pertence, sem sombra de dúvida, a qualquer reconstrução historicamente aceitável do ministério de Jesus.

O colapso da antiga escola da História de Religiões ocorreu por principalmente dois motivos. Primeiro, estudiosos perceberam que os paralelos alegados eram ilegítimos. O mundo antigo era um lugar cheio de mitos de deuses e heróis. Estudos comparativos na religião e literatura requerem sensibilidade às suas similaridades e diferenças, ou o resultado será inevitavelmente distorção e confusão. Infelizmente, aqueles que apresentaram paralelos às crenças cristãs falharam em exercer essa sensibilidade. Veja, por exemplo, a história do nascimento virginal, ou, mais precisamente, a concepção virginal de Jesus. Os paralelos pagãos alegados a essa história são sobre lendas de deuses que se materializaram e tiveram relações sexuais com mulheres humanas para gerar uma prole humano-divina (como Hércules). Assim como esta, essas histórias são exatamente o contrário dos relatos dos Evangelhos, nos quais Maria concebeu Jesus sem ter tido nenhuma relação sexual. As histórias dos Evangelhos sobre a concepção virginal de Jesus são, na verdade, únicas no Oriente Próximo antigo.

Ou considere o evento dos Evangelhos que eu acho mais interessante: a ressurreição de Jesus dentre os mortos. Muitas das alegadas similaridades a esse evento são na verdade histórias apoteóticas, a divinização e assunção do herói ao céu (Hércules, Rômulo). Outras são sobre desaparecimentos, afirmando que o herói foi-se para um plano superior (Apolônio de Tiana, Empédocles). Outras ainda são símbolos sazonais do ciclo das colheitas, conforme a vegetação morre na estação seca e volta à vida na estação chuvosa (Tamuz, Osíris, Adônis). Algumas são expressões políticas de adoração aos imperadores (Júlio César, César Augusto). Nenhuma delas é similar à ideia judaica de ressurreição dos mortos. David Aune, especialista em literatura comparada do antigo Oriente Próximo, conclui: “nenhum paralelo a elas [tradições da ressurreição] é encontrado nos escritos greco-romanos” (“The Genre of the Gospels”, em Gospel Perspectives II, ed. R. T. France and David Wenham [Sheffield: JSOT Press, 1981], p. 48).

Na verdade, a maioria dos estudiosos chegou a duvidar se, apropriadamente falando, houve realmente algum mito de deuses que morriam e ressurgiam! No mito de Osíris, um dos mitos sazonais mais conhecidos, ele nem chega a voltar à vida, mas simplesmente continua a existir exilado no sub-mundo. Numa revisão recente da evidência, T. N. D. Mettinger informa: “A partir da década de 30... um consenso se desenvolveu ao significado que os deuses, 'que morriam e ressurgiam', morreram, mas não voltaram a viver novamente... Aqueles que continuam a pensar diferente são vistos como sobreviventes de uma espécie quase extinta” (Tryggve N. D. Mettinger, The Riddle of Resurrection: “Dying and Rising Gods” in the Ancient Near East [Stockholm, Sweden: Almquist & Wiksell International, 2001], p. 4, 7).

O próprio Mettinger acredita que mitos de deuses que morriam e ressurgiam existiram nos casos de Dumuzi, Baal e Melqart; mas reconhece que tais símbolos são bem diferentes da antiga crença cristã na ressurreição de Jesus:

“Os deuses que morriam e ressurgiam estavam muito ligados ao ciclo sazonal. Sua morte e retorno eram vistos como refletidas nas mudanças nas plantas. A morte e ressurreição de Jesus é um evento único, não se repete, e não está ligado às mudanças sazonais... Não existe, pelo o que eu sei, nenhuma evidência clara que a morte e ressurreição de Jesus são uma construção mitológica, baseada nos mitos e ritos dos deuses sazonais das nações vizinhas. Enquanto for estudada com proveito contra o pano de fundo da crença da ressurreição judaica, a fé na morte e ressurreição de Jesus mantém seu caráter único na história das religiões. O mistério continua” (Ibidem, p. 221).

Repare no comentário de Mettinger, que a crença na ressurreição de Jesus pode ser proveitosamente estudada contra o pano de fundo das crenças judaicas da ressurreição (não mitologia pagã). Aqui vemos aquela mudança nos estudos no Novo Testamento que eu apontei acima como a rejudaização de Jesus. A ilegitimidade das similaridades alegadas é apenas uma indicação de que a mitologia pagã é o esquema interpretativo errado para compreender a crença dos discípulos na ressurreição de Jesus.

Segundo, a escola da História de Religiões sucumbiu como uma explicação para a origem das crenças cristãs sobre Jesus, porque não houve nenhuma conexão causal entre os mitos pagãos e a origem das crenças cristãs sobre Jesus. Veja, por exemplo, a ressurreição. Os judeus conheciam os deuses sazonais mencionados acima (Ez 37:1-14) e os acharam repugnantes. Por isso, não há traços de culto a deuses sazonais na Palestina do primeiro século. Para os judeus, a ressurreição à glória e imortalidade não aconteceria antes da ressurreição geral de todos os mortos no fim do mundo. É inacreditável pensar que os discípulos originais teriam súbita e sinceramente acreditado que Jesus de Nazaré ressuscitou dentre os mortos apenas porque ouviram sobre mitos pagãos de deuses que morriam e ressurgiam.

Mas, de certo modo, tudo isso é irrelevante à sua pergunta principal, Kevin. Pois, como você mostrou, as pessoas com que você conversa não têm acesso aos estudos. Quando você mostra a elas a ilegitimidade das similaridades alegadas, então é acusado de “ter trabalhado muito duro para salvar sua religião”. Essa é uma situação que você não pode vencer. Então, estou inclinado a dizer-lhe que você não deveria ocupar-se em “tentar refutar cada similaridade”. Antes, eu acho que uma atitude mais genérica e desinteressada de sua parte pode ser mais eficaz.

Quando eles disserem que as crenças cristãs sobre Jesus vieram da mitologia pagã, acho que você deveria rir. Então olhe para eles com os olhos arregalados e um grande sorriso e diga: “Vocês realmente acreditam nisso?” Aja como se tivesse acabado de conhecer alguém que acredite na terra plana ou na conspiração de Roswell. Você podia dizer algo do tipo: “Cara, essas velhas teorias estão mortas há mais de cem anos! De onde você está tirando isso?” Diga-lhes que isso é apenas lixo sensacionalista e não estudos sérios. Caso insistam, então peça a eles que lhe mostrem as próprias passagens que narram a suposta similaridade. São eles que estão nadando contra o consenso dos estudos, então faça-os trabalhar duro para salvar a religião deles. Eu acho que você descobrirá que eles nem sequer leram as fontes originais.

Se eles chegarem a citar um trecho de uma fonte, acho que você ficará surpreso com o que verá. Por exemplo, no meu debate sobre a ressurreição com Robert Prince, ele dizia que as curas que Jesus fez vieram dos relatos mitológicos de curas, como as de Esculápio. Eu insisti que ele lesse a todos uma passagem das fontes originais mostrando a suposta similaridade. Quando ele leu, o que alegava não tinha nada a ver com as histórias dos Evangelhos sobre as curas de Jesus! Essa foi a melhor prova de que a origem das histórias não estava relacionada.

Lembre-se: qualquer um que insiste nessa objeção tem de suportar o ônus da prova. Ele precisa mostrar que as narrativas são paralelas e, além disso, que são causalmente ligadas. Insista que eles suportem esse ônus, caso você leve as objeções deles a sério.

(Blog Apologia)

Leia também: "Osíris e Hórus: protótipos do Jesus da fé?"

segunda-feira, maio 04, 2009

Existe um Deus ou “três deuses?”

Não abordarei todos os aspectos do assunto numa breve introdução como essa, mas, logo de início quero afirmar que é infundada a acusação de que crer na Trindade é o mesmo que crer em “Três deuses”. Espero que a resposta a seguir lhe ajude a pelo menos começar a visualizar isso!

A Trindade é um mistério revelado, mas, não explicado. Certa vez eu estava defendendo a doutrina da Trindade e uma pessoa, que nega a Personalidade e a Divindade do Espírito Santo, escreveu-me: “você que acredita na Trindade não entende a Deus!” Perguntei: “então, quer dizer que você entende a Deus? Meus parabéns! Você é o único ser humano no mundo que entende a Deus…” É que eu estava brincando com ele para mostrar-lhe que não deveria ter dito aquilo. Para entender um gênio, somente outro gênio. Para entender um Deus, somente outro Deus. Não podemos entender plenamente a Deus porque não somos deuses. Diz o Salmo 145:3: “Grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado; a sua grandeza é insondável”. O fato de não entendermos plenamente a Deus não significa que Ele não exista da mesma maneira que o fato de a humanidade não entender plenamente o funcionamento do cérebro não significa que o cérebro não existe. Não devemos rejeitar a doutrina da Trindade só por que não a entendemos. Se fizermos isso, estaremos colocando a lógica humana acima da lógica de Deus.

Quando colocamos a nossa lógica acima da lógica de Divina, nos colocamos na mesma posição perigosa de satanás. Precisamos aceitar a doutrina da Trindade porque é um fato revelado na Bíblia. E, se confiamos em nosso Amado Deus, iremos acreditar nEle quando afirma que é um Deus manifesto em Três Pessoas.

Alguns dizem: “não creio na Trindade porque o nome Trindade não está na Bíblia”. Primeiramente, devemos entender que na Bíblia não se buscam nomenclaturas, mas fatos. E a doutrina da Trindade é um fato.

Segundo: na Palavra de Deus não encontramos outras expressões que são aceitas como verdades: encarnação de Cristo, milênio, Bíblia… Se formos aceitar os fatos bíblicos apenas se forem acompanhados de nomes, então teremos que rejeitar a doutrina da encarnação de Cristo, do milênio, e questionar inclusive a existência da própria Bíblia!

Para estudarmos sobre Deus, aquilo que Ele nos revelou sobre si mesmo, devemos entender que a Divindade possui uma unidade essencial e uma subordinação funcional. Alguns textos bíblicos mostram que a divindade tem uma unidade na sua essência (Colossenses 2:9) enquanto outros textos apontam para uma diferença na função (João 14:28) que cada um desempenha do plano de salvação e desempenhou na criação.

Em João 5:19 e 21 vemos claramente esse princípio, bem como em outros versos do mesmo capítulo. No verso 19 Jesus diz que “o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se o não vir fazer ao Pai”. No mesmo verso Ele continua: “porque tudo quanto ele (o Pai) faz, o Filho o faz igualmente”. No mesmo texto vemos a subordinação funcional de Cristo em relação ao Pai e Sua unidade essencial. No verso 21 podemos visualizar ainda melhor a unidade de Cristo com o Pai na divindade, o que mostra que Jesus não é uma criatura. Diz o texto: “Pois assim como o Pai ressuscita os mortos e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer”.

Percebe querido(a) internauta? A Bíblia fala de uma subordinação nas funções entre os membros da divindade e de uma unidade na essência. A diferença na função que cada membro da Divindade desempenha de modo algum significa que um Ser é mais poderoso do que o outro. Se Jesus não fosse criador e o Espírito Santo fosse inferior a Deus Pai e a Deus Filho também na essência, isso seria politeísmo. Politeísmo é a crença em mais de um deus, onde um deus é mais poderoso do que o outro. A doutrina da Trindade não é politeísmo porque ensina a unidade essencial entre as Três Pessoas da Divindade! Essas Três Pessoas são chamadas de “um só Deus”, como fiz Efésios 4:6, porque são uma unidade.

As Pessoas da Divindade são unidas no poder, caráter, propósito e amor. São tão unidos que dizer “Três deuses” seria incoerente com o tipo de relacionamento de amor que há entre essas Três Pessoas Divinas.

Fica claro que as Três Pessoas da Trindade são chamadas de “um só Deus” (Deuteronômio 6:4 - “único Deus”) no sentido de unidade. Foi por isso que Cristo pôde dizer em João 10:30: “eu e o Pai somos um”. Os judeus entenderam essa declaração do Salvador como uma reivindicação de igualdade com o Pai, pois o verso 11 do capítulo 10 diz que “Novamente, pegaram os judeus em pedras para lhe atirar”.

Possuo debates escritos sobre o assunto que poderão lhe ajudar no estudo. Se quiser, basta solicitar para a “Escola Bíblica” no e-mail namiradaverdade@novotempo.org.br

Um abraço!

(Leandro Quadros, jornalista e consultor bíblico)

sexta-feira, abril 17, 2009

Moisés era gago?

Em Êxodo 6:30, Moisés alega ter a "língua pesada". Já ouvi alguns
dizerem que ele era gago. Isso é verdade? – V.


Não há evidências históricas, bíblicas ou arqueológicas de que Moisés
tivesse sido "gago". Mesmo porque ele estava sendo educado para ser o
novo faraó – tamanhas eram as capacidades dele. Veja: "E Moisés foi
educado em toda a ciência dos egípcios e era poderoso em palavras e
obras" (Atos 7:22).

O Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, ao comentar Êxodo 4:10
(onde Moisés diz ser "pesado da língua"), afirma: "Sua longa ausência do
Egito e o fato de que não tinha falado o egípcio durante sua permanência
em Madian sem dúvida o fizeram sentir-se desqualificado para ir diante
de Faraó..."

E Ellen White, no livro Patriarcas e Profetas, página 254, "mata a
charada": "Mas o servo de Deus ainda se deixava vencer pelo pensamento
da estranha e maravilhosa obra que diante dele estava. Em sua aflição e
temor, agora alegava como desculpa a falta de uma fala desembaraçada:
'Ah Senhor! eu não sou homem eloquente, nem de ontem nem de anteontem,
nem ainda desde que tens falado a Teu servo; porque sou pesado de boca e
pesado de língua.' Êx 4:10. Durante tanto tempo havia ele estado
afastado dos egípcios, que não tinha um conhecimento tão claro e um uso
tão pronto da língua, como quando estivera entre eles."

Portanto, podemos concluir que Moisés estava mais é "com medo pela nova
função" e "dando desculpas", e não apresentando a Deus um problema de
gagueira.

(Leandro Soares de Quadros, consultor bíblico e conselheiro, jornalista
da Rede Novo Tempo)

terça-feira, março 31, 2009

A Bíblia é machista?

Gostaria de saber a razão para a ordem de Paulo em 1 Coríntios 14:34, 35. Será que a mulher não pode falar na igreja? – W.

Os versos 34-36 de 1 Coríntios fazem parte da seção sobre a ordem no culto (14:26-40), e devem ser analisados à luz desse contexto. Ao olharmos essa seção, podemos ver o que estava perturbando a adoração pública na igreja de Corinto: (1) muitas partes e muitos oradores em um mesmo culto – 14:26; (2) diversas pessoas falando em línguas estrangeiras, ao mesmo tempo e sem intérprete – 14:27, 28; (3) vários profetas tentando transmitir sua mensagem, e todos ao mesmo tempo – 14:29-33; e (4) mulheres falando e perguntando durante o culto – 14:34, 35.

Reconhecemos que poucos versos bíblicos têm causado tanta discussão quanto esses, dirigidos à igreja de Corinto. Mas devemos estar certos de uma coisa: quando Paulo fala contra determinada prática na igreja é porque a mesma estava sendo prejudicial à comunidade cristã. E esse é o caso das mulheres falarem na igreja de Corinto.

Como se sabe, as mulheres no tempo de Paulo não falavam em público. Elas não deviam falar em público nem mesmo com o marido.

Então, o evangelho chegou à importante cidade de Corinto e muita gente se converteu, inclusive mulheres. Parece que elas interpretaram mal as palavras de Paulo de que “onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” (2Co 3:17), e acharam que essa liberdade cristã lhes dava o direito de romper com os costumes aceitos pela sociedade em que viviam.

Essa prática de mulheres falarem no culto, nos dias de Paulo, era considerada “indecorosa” ou “vergonhosa” (14:35) “porque os costumes dos gregos e judeus ordenavam que as mulheres se retirassem quando se discutiam assuntos públicos. A violação desse costume era considerada uma desonra e estava trazendo vergonha para a igreja” (F. D. Nichol, Comentario Bíblico Adventista del Séptimo Dia, v. 6, p. 788).

As mulheres eram tidas em baixa conta, não só entre os gregos, mas também entre os judeus. “Muitos rabinos duvidavam que as mulheres tivessem alma. Se um escravo do sexo masculino podia ler as escrituras na sinagoga, uma mulher judia não tinha permissão para tanto. Nenhuma mulher podia frequentar as escolas de teologia. Na realidade, os rabinos afirmavam: ‘É preferível queimar a lei a ensiná-la a uma mulher!’” (R. N. Champlin, O Novo Testamento Interpretado, v. 4, p. 230).

Quando Paulo diz que às mulheres “não lhes é permitido falar; mas estejam submissas como também a lei o determina” (14:34), ele tem em mente a lei mosaica como um todo, especialmente Gênesis 3:16 e Números 30:8-12, passagens que fazem a mulher depender totalmente do marido, por estar sujeita a ele.

1 Coríntios 14:35 diz que, se a mulher quisesse aprender alguma coisa, perguntasse em casa ao marido. O fato é que nas sinagogas os homens podiam disputar, dialogar e fazer perguntas, as mulheres não. Fazer isso seria considerado ousado demais para os costumes dos judeus e gregos da época de Paulo.

Palavras tão enfáticas quanto às de 1 Coríntios 14:34 e 35 são as de 1 Timóteo 2:11 e 12: “A mulher aprenda em silêncio, com toda a submissão. E não permito que a mulher ensine, nem exerça autoridade de homem; esteja, porém, em silêncio.” A sociedade daquele tempo esperava que o homem ensinasse e a mulher aprendesse. Pelo visto, se uma mulher pretendesse ensinar, isso seria considerado como desempenho de um papel masculino e uma usurpação em relação ao papel do homem (O Novo Testamento Interpretado, v. 4, p. 231). É nesse contexto que as palavras do apóstolo Paulo devem ser entendidas, e não à luz dos costumes de hoje, especialmente nos países ocidentais, onde as mulheres atuam, praticamente, em todas as áreas, e isso não é considerado “vergonhoso”, nem “indecente”.

O problema em Corinto parece que tinha mais que ver com a fala das mulheres no culto público. Elas deviam ficar caladas “na igreja” (14:34), pois, pelo que podemos perceber ao longo das páginas do Novo Testamento, elas poderiam falar em reuniões particulares, até mesmo ensinando, como aconteceu com Priscila, que, juntamente com o marido Áquila, ensinou, com mais exatidão o “caminho de Deus” a Apolo (At 18:24-26). Também digno de menção é o nome de Febe, diaconisa de Cencréia, um porto de Corinto, provável portadora da epístola de Paulo aos Romanos (ver Rm 16:1). O fato de ela ser uma “diaconisa” (no grego diákonos) pode indicar sua participação ativa, usando a voz na pregação do evangelho, tal como os diáconos escolhidos pela igreja em Atos 6, dentre os quais se destacam Estêvão, que pregava o evangelho com palavras cheias de sabedoria e poder do Espírito Santo (At 6:10) e Filipe, o evangelista (At 8:4-8; 21:8), cujas quatro filhas eram profetisas (At 21:9).

E hoje, como aplicar as palavras de Paulo quanto ao silêncio das mulheres no culto público? Como os tempos mudaram e a situação das mulheres na sociedade também (ao menos nos países ocidentais), devemos atentar agora ao princípio que está contido nas palavras do apóstolo aos gentios, que é o de se buscar a decência e a ordem (1Co 14:40) em tudo quanto fizermos, especialmente no culto, “pois Deus não é Deus de confusão” (1Co 14:33). E isso vale tanto para as mulheres quanto para os homens.

E, por último, uma palavra de apreço às mulheres por sua inestimável atuação em todas as áreas, especialmente às professoras (de ensino religioso, na igreja, e de matérias seculares, nas escolas) e outras que lideram departamentos da igreja, que usam a voz para abençoar os membros do corpo de Cristo e à comunidade em geral.

(Ozeas Caldas Moura, doutor em Teologia Bíblica e editor na Casa Publicadora Brasileira.)

segunda-feira, março 02, 2009

Diferenças em Gênesis

No capítulo 1 de Gênesis, fala-se da criação de plantas, e no 2 é dito que não havia plantas, por isso o Senhor plantou um Jardim para o homem. Como entender isso? – R.

Gênesis 2 fornece mais detalhes da Criação, mencionada em Gênesis capítulo 1. Em 2:4 e 5, é dito que quando Deus criou os céus e a terra, não havia nenhuma planta no campo. E isso é verdade, pois as plantas só foram criadas no terceiro dia da criação da vida sobre a Terra (Gn 1:12, 13). Antes disso, a Terra estava “sem forma e vazia” (Gn 1:2), vazia de pessoas, de plantas e de tudo o que tem vida.

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

Perguntas frequentes sobre criacionismo (13)

1. É científico crer na criação?

Em nossa sociedade, crê-se que a ciência é estritamente naturalista. Neste sentido, a criação não pode ser científica, porque a criação implica que uma inteligência sobrenatural está ativa em a natureza. Entretanto, a ciência pode ser definida de outras formas.1 Se "ciência" significar o estudo da natureza, a criação pode ser "científica." Isto segue se a natureza é entendida em relacionamento a Deus como criador. Muitos dos fundadores da ciência criam que Deus estava ativo na natureza, e que eles estavam meramente estudando Seus métodos de agir na natureza.2 A história mostra que a separação de Deus e natureza não é necessária para o avanço do conhecimento. Entretanto a ciência se preocupa em testar predições resultantes de hipóteses específicas. A hipótese de que Deus causou um evento por métodos que não são investigáveis não seria considerada científica, por não poder ser testada.

Para alguns o termo "científico" significa crença lógica em oposição à superstição. Este significado é inerente no "cientismo" -- a crença de que a ciência naturalística é o único meio de descobrir a verdade. Este é um mau uso do termo "científico" que torna impossível responder à questão se é científico crer na criação ou em qualquer outra teoria das origens.

2. É necessário que a ciência seja naturalística?

A ciência avançou porque os cientistas procuraram respostas a questões acerca de como os eventos ocorreram ou ocorrem. Isto pode ser investigado tanto quando se crê que Deus está dirigindo os eventos como quando não se crê nisto. Os cientistas não necessitam crer no naturalismo quando procuram entender o mecanismo de como os eventos ocorrem.

3. O reconhecimento das atividades de Deus por parte dos cientistas não iria desestimular a pesquisa?

A crença de que Deus está ativo em a natureza não desestimulou a pesquisa dos fundadores da ciência moderna, assim como não deve desestimular hoje. O problema que se deve evitar é deixar de investigar um fenômeno por se crer que Deus é sua causa. Muitos cientistas têm sido estimulados a estudar a natureza por crerem que Deus está ativo nela, sendo seu estudo uma oportunidade de compreendê-lo através das obras de suas mãos.

[Leia também a parte 12]

Notas para as Perguntas sobre a Criação e a Ciência:

1. Philosophies of science from Christian perspectives are given in: (a) Ratzsch D. 1986. Philosophy of Science. Downers Grove, IL: InterVarsity Press; (b) Pearcey NR, Thaxton CB. 1994. The soul of science: Christian faith and natural philosophy. Wheaton, IL: Crossway Books, Good News Publishers; (c) Seventh-day Adventists should consult Testimonies to the Church, Vol. 8, p 255-261 for an enlightening statement on God, nature and science.

2. (a) Ashton JF, editor. 2000. In six days. Green Forest, AR: Master Books; (b) Graves D. 1996. Scientists of faith. Grand Rapids, MI: Kregel Resources.

Perguntas frequentes sobre criacionismo (12)

1. Os continentes realmente se separaram?

Aparentemente sim. Há considerável evidência de que os continentes se moveram, separando-se.1

2. Quando os continentes se separaram?

A principal separação pode ter ocorrido durante o dilúvio. Medidas atuais mostram que eles ainda se movem hoje, embora muito lentamente.

3. A divisão da Terra nos dias de Pelegue mencionada em Gênesis 10:25 pode ser interpretada pela tectônica de placas?

Provavelmente não. O contexto é a "tabela de nações" que se espalharam após o dilúvio. O texto significa, mais provavelmente, que o território da Terra foi dividido entres estes grupos de pessoas. Entretanto, não há nada no texto que evite a interpretação de que os continentes se dividiram naquela ocasião; porém, as diferenças entre os vertebrados terrestres da América do Sul e da África são tão grandes que parece pouco provável que estes continentes estiveram ligados após o dilúvio.

4. A Pangea representa o mundo pré-diluviano?

Provavelmente não. A Pangea é em grande parte coberta com sedimentos marinhos, sugerindo que fosse uma bacia ou mar epicontinental onde ocorreu a deposição durante o dilúvio. Os continentes pré-diluvianos podem ter sido destruídos no dilúvio.

5. Como podem os continentes terem se movido com rapidez suficiente para rearranjar toda a superfície da Terra durante o ano do dilúvio?

Pode não ser necessário que todo o movimento das placas fosse completado durante o dilúvio; movimentos significativos das placas podem ter continuado por algum tempo após o dilúvio. De qualquer forma, as causas do movimento das placas não são bem compreendidos. Atualmente elas se movem muito lentamente, mas poderiam se mover mais rápido se houvesse condições apropriadas. Uma grande quantidade de energia seria necessária; talvez esta poderia ter sido provida por impactos extraterrestres.2 Uma temperatura mais baixa de fusão de rochas basálticas poderia ter facilitado o movimento de placas; sabe-se que a presença de água no basalto abaixa o ponto de fusão.3 Não se sabe se o movimento das placas pode ter sido facilitado pelas "águas sob a terra" ou o rompimento das "fontes do abismo," mas vale a pena considerar esta possibilidade. Um grupo de criacionistas publicou recentemente uma teoria de movimento rápido das placas que pode prover algumas respostas a esta questão.4 Um movimento assim rápido iria aquecer tanto as placas que levaria muito tempo para esfriá-las.

6. Que problemas não resolvidos sobre tectônica de placas são de maior preocupação?

Quanto as placas realmente se moveram? Quando e quão rapidamente se moveram? O que aconteceu aos continentes pré-diluvianos? Como o magma do soalho oceânico se esfriou em poucos milhares de anos se as placas se moveram tão rapidamente durante o dilúvio?5

[Leia também a parte 11]

Notas para as Perguntas sobre Tectônica de Placas:

1. (a) Snelling AA. 1995. Plate tectonics: have the continents really moved apart? CEN Technical Journal 9(1):12-20; (b) Wilson JT, editor. 1976. Continents adrift and continents aground. Readings from Scientific American. San Francisco: W.H. Freeman.

2. (a) Clube V, Napier B. 1982. Close encounters with a million comets. New Scientist 95:148-151; (b) Glikson AY. 1995. Asteroid/comet mega-impacts may have triggered major episodes of crustal evolution. EOS, Transactions of the American Geophysical Union 76(6):49ff. See also: (c) Gibson LJ. 1990. A catastrophe with an impact. Origins 17:38-47.
3. Thompson AB. 1992. Water in the Earth's upper mantle. Nature 358:295-302.

4. Baumgardner JR. 1994. Runaway subjection as the driving mechanism for the Genesis flood. In: Walsh RE, editor. Proceedings of the Third International Conference on Creationism. Pittsburgh, PA: Creation Science Fellowship, p 63-75.

5. Este problema foi levantado em: (a) Barnes RO. 1980. Thermal consequences of a short time scale for sea-floor spreading. Journal of the American Scientific Affiliation 32(2):123-125. O problema continua não resolvido mas algum trabalho interessante em problemas relacionados pode ser encontrado em: (b) Snelling A. 1991. The formation and cooling of dykes. Creation Ex Nihilo Technical Journal 5:81-90; (c) Snelling AA. 1996. `Rapid' granite formation? Creation Ex Nihilo Technical Journal 10:175-177; (d) Anonymous. 1996. Queries and comments. Origins (Biblical Creation Society) No 21, p 22-23.

Perguntas frequentes sobre criacionismo (11)

1. Ocorreu uma era glacial?

Sim. Houve um tempo quando as geleiras cobriram grandes áreas da América do Norte e do noroeste da Europa.1 A maioria dos cientistas crê que ocorreram várias eras glaciais, mas alguns criacionistas suspeitam que houve apenas uma Era Glacial, com flutuações que produziram a aparência de mais de uma.

2. Quando foi a era Glacial?

Provavelmente não muito após o dilúvio.

3. O que causou a era Glacial?

Já foram feitas muitas conjecturas acerca da causa da Era Glacial.2 Uma das melhores idéias é a de Michael Oard.3 Oard propõe que o oceano estava ainda aquecido imediatamente após o dilúvio. Isto significa que muita água se evaporaria e produziria precipitação, especialmente ao longo da trilha de tempestades da costa leste da América do Norte. Esta trilha de tempestades trouxe grandes quantidades de neve para a parte norte da América do Norte, onde o maior acúmulo de gelo ocorreu. Atividades vulcânicas mantiveram os verões frios, aumentando a precipitação e impedindo o derretimento da neve e gelo. Quando o chão ficou coberto de neve, passou a refletir mais a radiação solar. Isto esfriou mais o ar acelerando o processo. Depois de várias centenas de anos, o oceano se esfriou o suficiente para diminuir a precipitação de mais neve. A atividade vulcânica declinou também, permitindo que os verões se tornassem mais quentes, provocando o derretimento do gelo.

4. Quanto durou a era Glacial?

No modelo de Oard, a Era Glacial pode ter durado menos de 1000 anos. A maioria dos geólogos crê em várias eras glaciais, separadas por períodos mais quentes, durando centenas de milhares de anos.

5. Por que a Bíblia não diz nada sobre a Era Glacial?

A Bíblia registra a história do povo que preservou o conhecimento do prometido Messias. A Era Glacial não é relevante para esta história. Por outro lado, referências tais como Jó 38:22 podem indicar um clima mais frio no princípio da história bíblica.

6. Que se pode dizer sobre outras eras glaciais na coluna geológica?

Outras "Eras Glaciais" têm sido propostas, com base na interpretação de certas evidências, tais como sedimentos não consolidados, que são interpretados como típicos de atividade glacial.4 Entretanto, as evidências de "eras glaciais" pré-quaternárias não são fortes, e já foram propostas interpretações alternativas dos dados.5

7. Quais são os problemas não resolvidos mais importantes sobre Eras Glaciais?

Como explicar as evidências de que algumas regiões da América do Norte e Europa Setentrional experimentaram intervalos alternados de glaciação e climas mais quentes, sugerindo um período de tempo mais longo do que a maioria dos criacionistas julga disponível? Como explicar sondagens do gelo da Groenlândia e Antártica que são interpretadas como representando períodos de tempo de 100.000 anos ou mais? Qual o significado de seqüências de lâminas interpretadas como devidas a mudanças cíclicas na órbita da Terra, chamadas ciclos de Milankovich?

[Leia também a parte 10]

Notas para as Perguntas sobre a Era Glacial:

1. Wright AE, Moseley F, editors. 1975. Ice Ages: ancient and modern. Geological Journal Special Issue No. 6. Liverpool: See House Press.

2. Imbrie J, Imbrie KP. 1979. Ice Ages: solving the mystery. Cambridge, MA and London: Harvard University Press.

3. Ver: (a) Oard MJ. 1990. A post-flood ice-age model can account for Quaternary features. Origins 17:8-26; (b) Oard MJ. 1984a. Ice ages: the mystery solved? Part I: The inadequacy of a uniformitarian Ice Age. Creation Research Society Quarterly 21:66-76; (c) Oard MJ. 1984b. Ice ages: the mystery solved? Part II: The manipulation of deep-sea cores. Creation Research Society Quarterly 21:125-137; (d) Oard MJ. 1985. Ice ages: The mystery solved? Part III: Paleomagnetic stratigraphy and data manipulation. Creation Research Society Quarterly 21:170-181; (e) Oard MJ. 1990. An ice-age caused by the Genesis Flood. ICR Technical Monograph. El Cajon, CA: Institute for Creation Research.

4. Ver vários capítulos na referência na nota 1.

5. Ver: (a) Gravenor CP, Von Brunn V. 1987. Aspects of Late Paleozoic glacial sedimentation in parts of the Parana Basin, Brazil, and the Karoo Basin, South Africa, with special reference to the origin of massive diamictite. In McKenzie GD, editor. Gondwana Six: Stratigraphy, Sedimentology and Paleontology. Geophysical Monograph 41. Washington DC: American Geophysical Union, p 103-111; (b) Rampino MR. 1994. Tillites, diamictites, and ballistic ejecta of large impacts. Journal of Geology 102:439-456; (c) Bennett MR, Doyle P, Mather AE. 1996. Dropstones: their origin and significance. Palaeogeography, Paleoclimatology, Palaeoecology 121:331-339; (d) Oberbeck VR, Marshall JR, Aggarwal H. 1993. Impacts, tillites, and the breakup of Gondwanaland. Journal of Geology 101:1-19; (e) Responses in Journal of Geology 101:675-679; 102:483-485.

Perguntas frequentes sobre criacionismo (10)

1. A arca de Noé foi encontrada?

Não. Várias expedições buscaram encontrá-la, mas sem sucesso. Algumas formações rochosas com "forma de barco" foram encontradas na área do Ararat, mas não há nada especial com relação a elas. Há numerosos relatos de pessoas que dizem ter visto a arca, mas não há evidências para apoiar estes relatos. Parece pouco provável que a arca venha a ser encontrada. Deve-se rejeitar as afirmações de que a arca foi encontrada, mas que é necessário mais dinheiro para obter as provas. Se a arca fosse realmente descoberta, os meios de comunicação iriam assegurar que todos soubessem disso rapidamente.

2. Como todos milhões de espécies de animais poderiam caber na arca?

Não poderiam. A arca foi projetada para incluir apenas vertebrados terrestres -- aqueles que caminham sobre o chão e respiram através de narinas (Gênesis 7:22). Isso não inclui animais marinhos, vermes, insetos e plantas. Há menos de 350 famílias de vertebrados terrestres vivos. A maioria destes são do tamanho de um gato doméstico ou menores. Se cada família taxonômica estava representada na arca por um par, com as poucas famílias limpas representadas por sete pares, a arca deveria conter menos do que 1000 indivíduos. A arca poderia provavelmente acomodar dez vezes este número.1 A questão de espaço para os animais na arca não é um problema difícil.

3. É razoável supor que cada família taxonômica poderia ser representado por um único par ancestral na arca? Isto não irá exigir taxas evolutivas irrazoáveis após o dilúvio?

Algumas famílias taxônomicas podem ser grupos que representam mais do que um par ancestral. Entretanto, um par pode ter sido suficiente em muitos casos. Sabe-se que algumas espécies atuais possuem suficiente variabilidade genética para produzir variações morfológicas equivalentes a gêneros diferentes.2 As taxas de mudança morfológica podem depender do grau de isolamento genético, da quantidade de stress ambiental e também do tempo.3

4. O que se pode dizer sobre alimentação, água e saneamento para todos aqueles animais?

Estas questões não são discutidas na Bíblia. A água da chuva pode ter estado disponível, tornando o armazenamento de água desnecessário. O alimento foi aparentemente guardado na arca (Gênesis 6:21-22). O Deus que revelou a vinda do dilúvio, instruiu Noé sobre como preparar a arca e dirigiu os animais para a arca, certamente cuidou da logística necessária para o cuidado deles.

5. O que se pode dizer sobre animais com alimento muito específico, tais como o coala que requer folhas de eucalipto?

Não sabemos se os coalas foram sempre restritos a folhas de eucalipto, ou se sua dieta mudou. Nem mesmo sabemos se os coalas existiram antes do dilúvio, ou se desenvolveram-se a partir de um ancestral que foi preservado durante o dilúvio. Possivelmente não haja um meio de obter a resposta.

6. Como os animais puderam encontrar seu caminho a partir da arca até a América do Sul ou a Austrália?

Não sabemos,4 mas parece provável que os animais foram dirigidos de forma sobrenatural para ir para a arca, e de novo para se dispersar a partir da arca. Isto pode ter sido obtido pela implantação de um impulso instintivo para migrar, ou pode ter sido através da ação direta de anjos. Alguns podem objetar sobre a invocação de atividade sobrenatural, mas esta é inerente em toda a história do dilúvio. Atividades sobrenaturais não implicam necessariamente em violação de leis naturais, mas sim que os eventos foram dirigidos por seres inteligentes.

7. Que problemas não resolvidos sobre a arca de Noé são de maior preocupação?

Quantas espécies diferentes de animais foram salvas na arca de Noé, e quais são seus descendentes? Como os vertebrados terrestres se espalharam da arca até sua atual distribuição?

[Leia também a parte 9]

Notas para as Perguntas sobre a Arca de Noé:

1. Para uma discussão criacionista sobre o espaço na arca, ver: Wodmorappe J. 1994. The biota and logistics of Noahs ark. In Walsh RE, editor, Proceedings of the Third International Conference on Creationism, July 18-23, 1994. Pittsburgh, PA: Creation Science Fellowship, p 623-631.

2. (a) Wayne RK. 1986. Cranial morphology of domestic and wild canids: the influence of development on morphological change. Evolution 40:243-261; (b) ver também as perguntas freqüentes sobre mudanças em espécies.

3. Parsons PA. 1988. Evolutionary rates: effects of stress upon recombination. Biological Journal of the Linnean Society 35:49-68.

4. Uma discussão criacionista da biogeografia da América do Sul é feita em: (a) Gibson LJ. 1998. Historical biogeography of South America, Part I: living vertebrates. Geoscience Reports 25:1-6; (b) Gibson LJ. 1998. Historical biogeography of South America, Part II: fossil vertebrates. Geoscience Reports 26:1-6.

Perguntas frequentes sobre criacionismo (9)

1. Donde veio a água para o dilúvio e para onde ela foi?

Os oceanos contém água suficiente para cobrir a Terra. Se a superfície da Terra fosse perfeitamente lisa, sem montanhas ou bacias oceânicas, ela seria coberta por uma camada de água com 3 km de profundidade.1 Há água suficiente para inundar a Terra. Antes do dilúvio, certa quantidade de água estava provavelmente nos mares, certa quantidade na atmosfera e uma quantidade desconhecida de água poderia ser subterrânea. É possível que mais água tenha sido acrescentada durante o dilúvio pela colisão de um ou mais cometas, que podem ser compostos em grande parte de água. A maior parte da água está agora em bacias oceânicas.

2. Como o dilúvio pôde encobrir o Monte Everest?

Durante o dilúvio, a área onde está agora o Monte Everest era uma bacia na qual sedimentos estavam se acumulando. Isto é mostrado pela presença de fósseis marinhos no Monte Everest.2 Após o soterramento dos fósseis, atividades catastróficas elevaram os sedimentos a uma altura bem acima de sua posição anterior, formando as montanhas do Himalaia. A maioria das montanhas atuais podem ter se formado de maneira semelhante, durante o dilúvio ou logo após.

3. Como a Terra poderia ser destruída por 40 dias e 40 noites de chuva?

O dilúvio não consistiu apenas de 40 dias de chuva. As águas do dilúvio aparentemente não começaram a diminuir antes de 150 dias (Gênesis 7:24). Outros 150 dias se passaram antes que a arca pousasse (Gênesis 8:3,4). Dez meses de inundação contínua provavelmente seriam capazes de produzir grandes mudanças geológicas na superfície da Terra. Em regiões mais distantes do ponto em que a arca pousou, o dilúvio pode ter durado bem mais do que um ano.

A água não foi o único agente envolvido na catástrofe mundial. As camadas fossilíferas contém mais de 100 crateras formadas por impactos de objetos extraterrestres tais como asteróides, meteoritos e cometas.3 A crosta terrestre passou por grandes modificações durante o dilúvio. Sem dúvida a chuva teve um papel importante, mas houve muito mais do que chuva na catástrofe conhecida como o dilúvio.

4. Como sabemos que o dilúvio foi mundial? Ele não poderia ter sido restrito a algum lugar do Oriente Médio?

Jesus usou o dilúvio como um exemplo de julgamento universal (Mateus 24:37-38). Pedro confirma que apenas oito pessoas foram salvas (II Pedro 2:5).

As expressões do texto do Gênesis parecem inconsistentes com um dilúvio local.4 A linguagem é o mais universal possível: "... e cobriram todos os altos montes que havia debaixo do céu;" Gênesis 7:19. Se a água cobriu os altos montes, iria também cobrir as regiões mais baixas. Como o propósito de Deus era destruir todos os seres humanos (Gênesis 6:7), o dilúvio deveria necessariamente ter se estendido pelo menos a todas regiões habitadas por seres humanos. Além do mais, Deus prometeu que nunca mais ocorreria outro dilúvio como aquele (Gênesis 9:11, Isaías 54:9), como simbolizado pelo arco-íris (Gênesis 9:13-17). Tem havido muitas inundações locais bastante destrutivas, que varreram muitas pessoas. O arco-íris é visto em todo mundo, indicando que a promessa se aplica a todo mundo. O dilúvio do Gênesis deve ter envolvido um nível de atividade diferente de qualquer coisa vista desde então.

Se o dilúvio foi local, a história bíblica do dilúvio não faz sentido. Não haveria necessidade de uma arca para salvar Noé ou seus animais. Noé poderia ter migrado com seus animais para outra região para evitar o dilúvio local.

Alguns tem afirmado que uma camada de barro em algumas partes do vale da Mesopotâmia é uma evidência de um dilúvio local. Entretanto, esta camada de barro é encontrada apenas em algumas das cidades. Sem dúvida, a região foi inundada alguma vez, mas isto não tem nada a ver com o dilúvio de Noé relatado em Gênesis.

5. O que se pode dizer da proposta de que o Dilúvio bíblico ocorreu no Mar Negro ou no Golfo Pérsico?

Grandes inundações ocorreram em vários lugares. Algumas destas inundações parecem ter excedido qualquer coisa na história registrada. O Channeled Scablands Flood no Estado de Washington é um destes exemplos,5 mas vários outros exemplos tem sido descobertos.6 Nenhum deles se ajusta à descrição bíblica do dilúvio. Isto é bem óbvio no caso das inundações propostas do Mar Negro e do Mediterrâneo, porque estas áreas ainda estão sob a água.

6. Que problemas não resolvidos sobre o dilúvio são de maior preocupação?

Como um evento catastrófico conseguiu produzir a seqüência ordenada de fósseis que é observada? Por que os fósseis na parte inferior da coluna geológica parecem tão diferentes de qualquer coisa viva atualmente, enquanto os fósseis na parte superior da coluna são mais semelhantes às espécies que vivem agora? Por que alguns fósseis se apresentam numa série morfológica que se ajusta, de um modo geral, com a teoria da evolução? Como as plantas e animais chegaram ao local onde agora estão após o dilúvio?

[Leia também a parte 8]

Notas para as Perguntas sobre o Dilúvio:

1. Dubach HW, Taber RW. 1968. Questions about the oceans. Publication G13. Washington DC: U.S. Naval Oceanographic Office, p 35.

2. Odell NE. 1967. The highest fossils in the world. Geological Magazine 104(1):73-74.

3. (a) Grieve RAF. 1987. Terrestrial impact structures. Annual Review of Earth and Planetary Sciences 15:245-270; (b) Grieve RAF. 1990. Impact cratering on the Earth. Scientific American 262(4):66-73; (c) Lewis FS. 1996. Rain of iron and ice. NY: Helix Books, Addison-Wesley Publishing; (d) Gibson LJ. 1990. A catastrophe with an impact. Origins 17:38-47.

4. (a) Hasel GF. 1975. The biblical view of the extent of the flood. Origins 2:77-95; (b) Hasel GF. 1978. Some issues regarding the nature and universality of the Genesis flood narrative. Origins 5:83-98; (c) Davidson RM. 1995. Biblical evidence for the universality of the Genesis Flood. Origins 22:58-73.

5. Allen JE, Burns M, Sargent SC. 1986. Cataclysms on the Columbia. Portland OR: Timber Press.

6. Uma grande inundação na Sibéria é descrita em : (a) Baker VR, Benito G, Rudoy AN. 1993. Paleohydrology of Late Pleistocene superflooding, Altay Mountains, Siberia. Science 259:348-350. A história de uma inundação no Mediterrâneo é contada em: (b): Hsh KJ. 1983. The Mediterranean was a desert. Princeton, NJ: Princeton University Press. As evidências de uma inundação no Mar Negro foram relatadas em (c) the Washington Post (September 13, 2002); uma inundação no Golfo Pérsico foi proposto por: (d) Teller JT, Glennie KW, Lancaster N, Singhvi AK. 2000. Noah's flood and its impact on the Persian Gulf region. Geological Society of America Abstracts with Programs 32(7):A-276.

Perguntas frequentes sobre criacionismo (8)

1. O que foi criado no primeiro dia da semana da criação?

Deus disse, "Haja luz." (Gênesis 1:3). A Terra era escura anteriormente (Gênesis 1:2). No primeiro dia Deus fez com que a Terra fosse iluminada. Isto não significa que a luz não existisse antes deste tempo porque a presença de Deus é associada com a luz (Apocalipse 22:5). Não é necessário supor que o fenômeno físico da luz tenha sido criado naquela ocasião, mas a Terra anteriormente escura foi iluminada. Uma possível explicação para a luz é que Deus pessoalmente e fisicamente veio a esta Terra, sendo a causa da iluminação. Se é assim, como podia se tornar escura de novo ao anoitecer? Talvez a rotação da Terra produziu o dia e a noite em partes diferentes da Terra, assim como acontece hoje.

Outra explicação possível para a luz é que o sistema solar já existisse antes da semana da criação, mas a luz era impedida de chegar à superfície da Terra. A Terra desta época pode ser comparada com Vênus, onde uma atmosfera espessa obscurece a luz do sol. No primeiro dia, a atmosfera foi clareada o suficiente para permitir que a luz atingisse a superfície da Terra.1

Talvez a luz fosse produzida por outra fonte, tal como uma supernova.

2. O que foi criado no quarto dia da semana da criação?

Disse também Deus: "Haja luzeiros no firmamento dos céus, para fazerem separação entre o dia e a noite;..." Dois grandes luzeiros são descritos, um para governar o dia e um para governar a noite. Estas luzes apareceram no quarto dia da semana da criação. Não são apresentados os detalhes. Eles podem ter sido criados naquele dia. Se assim for, a luz dos primeiros três dias pode ter sido provida pela presença de Deus.

Se nosso sistema solar já existia antes da semana da criação, como alguns criacionistas acreditam que seja possível, então aparentemente o próprio sol não era visível até o quarto dia. Isto poderia ser explicado devido a uma cobertura atmosférica de nuvens, permitindo que a luz difusa alcançasse a superfície, mas não revelando a fonte da luz. No quarto dia, talvez a atmosfera tenha sido clareada para permitir que o sol e a lua fossem visíveis pela primeira vez.

Outra interpretação possível é que o sol e a lua existissem antes deste tempo, mas no quarto dia foram "designados" para funções específicas relativas à Terra.

A frase "e fez também as estrelas" não requer que Deus tenha criado as estrelas ex nihilo no quarto dia da criação. Alguns criacionistas têm defendido que todo universo, ou pelo menos a porção visível, foi criada no quarto dia. O texto permite esta leitura, mas não a exige. "E fez também as estrelas" é apenas uma frase parentética na qual Deus é identificado como o criador das estrelas sem identificar quando isto foi realizado. O texto parece permitir a interpretação de que as estrelas já existiam anteriormente, talvez com planetas habitados por outras inteligências criadas.2

3. Por que a seqüência dos dias da criação não se ajusta à seqüência do registro fóssil?

A seqüência da criação de acordo como o Gênesis inclui o seguinte: 1) plantas terrestres, incluindo árvores que dão semente; 2) criaturas voadoras (tais como aves) e criaturas aquáticas (tais como peixes e baleias); 3) criaturas terrestres (tais como répteis, mamíferos e seres humanos). No registro fóssil, a seqüência é rearranjada da seguinte forma: 1) peixes; 2) répteis terrestres; 3) répteis voadores; 4) mamíferos terrestres; 5) aves; 6) árvores frutíferas; 7) baleias; 8) seres humanos. A seqüência dos fósseis não se ajusta à seqüência da criação porque o registro fóssil é um registro de morte e não um regristro da criação da vida. O registro fóssil foi produzido após a semana da criação. Não havia nenhum processo de fossilização entre os dias da criação.

4. Podem os dias da criação realmente representar períodos de mil anos cada, como sugerido em II Pedro 3:8?

Fazer os "dias" da criação iguais a mil anos não ajuda explicar o texto. A seqüência fóssil não se ajusta à seqüência da criação. A vegetação foi criada antes das criaturas marinhas, mas aparece depois no registro fóssil. As aves foram criadas antes dos répteis, mas aparecem depois deles no registro fóssil.

Se imaginamos os mil anos como tendo uma única “tarde e manhã”, cada noite teria ocupado aproximadamente a metade deste tempo, ou 500 anos. A vegetação não poderia sobreviver a 500 anos de escuridão. Se considerarmos os mil anos como anos comuns, isto não resolve a suposta idade dos fósseis, de milhões de anos. Qualquer tentativa de fazer os "dias" da criação iguais a mil anos nada adianta para resolver as questões científicas.3

5. Poderiam os "dias" da criação representar períodos indefinidos de tempo?

No Gênesis, os "dias" da criação são numerados de 1 a 7, indicando uma seqüência. Eles consistem de "uma tarde e uma manhã" -- um período escuro e um período de luz. O processo de criação descrito é por comandos -- criação pela palavra. A linguagem parece claramente indicar dias comuns.4

Um teste para saber se esta interpretação é correta é determinar se os "dias" são usados para defender uma idéia em outros lugares na Bíblia. Na realidade são. Em Êxodo 20:11 e 31:17, os dias da criação são usados como a base para a observância do Sábado, o sétimo dia. A interpretação dos dias da criação como dias literais é apoiada pela ocorrência do Sábado como um dia literal em uma semana de sete dias literais.

Interpretar os "dias" da criação com sete períodos de tempo indefinidos não ajuda. A seqüência de eventos no Gênesis não ajusta se ao registro geológico. Se os dias não são literais, a seqüência de eventos certamente não é literal, e o processo de criação instantânea por comandos não é literal também. Se o Gênesis não descreve precisamente a seqüência de eventos ou o processo envolvido, então não faz sentido tentar achar significado nos sete períodos de tempo.

6. A semana da criação ocorreu há 6.000 anos atrás?

A Bíblia não fornece a data da criação. Ela contém dados cronológicos e genealógicos que sugerem que a criação ocorreu há cerca de 6000-7500 anos atrás, dependendo de qual versão antiga é usada. Alguns criacionistas concluíram que os dados cronológicos bíblicos são essencialmente completos, e a criação ocorreu há cerca de 6000 anos. Outros criacionistas não estão convencidos de que os dados bíblicos são completos, e aceitam uma certa extensão do tempo, desde que o caráter da história da criação não seja alterado. Retroagir a criação e o dilúvio por uns poucos milhares de anos fará pouca diferença teológica, mas retroagir milhões de anos irá implicar que os humanos têm se aperfeiçoado ao longo do tempo. Isto é contrário à mensagem da Bíblia. Portanto, a maioria dos criacionistas bíblicos irá insistir que o tempo da criação do Gênesis seja medido em milhares mas não milhões de anos.

7. Como Caim encontrou uma esposa se não haviam outros seres humanos na Terra antes da semana da criação?

Adão e Eva tiveram muitos filhos, de ambos os sexos (Gênesis 5:4). A Bíblia em geral não menciona os nomes de filhas, mas elas estavam presentes. Sem dúvida, Caim casou-se com uma irmã. Isto não iria causar problemas genéticos entre pessoas criadas tão recentemente. O acúmulo de mutações deletérias desde aquele tempo tem tornado os casamentos entre parentes bastante inconvenientes, devido à probabilidade aumentada de nascerem descendentes geneticamente defeituosos. Abraão aparentemente casou-se com uma meia irmã (Gênesis 20:12). Isto sugere que casamentos entre familiares eram socialmente aceitos na época de Abraão.

8. Por que Gênesis 1 e 2 apresentam relatos diferentes da criação?

Alguns acham que os dois relatos de criação são contraditórios, enquanto outros afirmam que os dois relatos são complementares. A interpretação de complementaridade sugere que a semana da criação é apresentada esquematicamente em Gênesis 1, terminando em Gênesis 2:4. Gênesis 1 preocupa-se com a cronologia da criação, enquanto Gênesis 2 é uma ampliação da criação dos seres humanos e seu lar no Éden. Gênesis 1 introduz a universalidade da criação, enquanto Gênesis 2 provê a abertura das histórias da experiência humana contadas no resto

do livro. A linguagem dos dois capítulos pode ser interpretada como conflitante por alguém que desejar assim fazer, mas a linguagem não requer este conflito.

9. Que problemas não resolvidos sobre a semana da criação são de maior preocupação?

Que eventos ocorreram no primeiro e no quarto dias da semana da criação? Quando a água e os minerais da Terra foram criados?

[Leia também a parte 7]

Notas para as Perguntas sobre a Semana da Criação:

1.Ver: (a) Mitchell C. 1995. The case for creationism. Grantham, Lincs, UK: Autumn House Publ, p 205; (b) Coffin HG, Brown RH. 1983. Origin by design. Hagerstown, MD: Review and Herald Publ. Assn, Chapter 1.

2. Esta interpretação explicaria Jó 38:7 como se referindo ao júbilo dos seres inteligentes em outros mundos por ocasião da criação do mundo. Que há outros mundos habitados por seres inteligentes é indicado na história de Satanás representando a Terra no concílio celestial, em Jó 1:6 e 2:1.

3. Ver: Hasel GF. 1994. The "days" of creation in Genesis 1: literal "days" or figurative "periods/epochs" of time? Origins 21:5-38.

4. Ver Nota 3.

5. (a) Luo PHK. 1989. Does Genesis 2 contradict Genesis 1? Ministry (March), p 15; (b) Shea WH. 1989. Literary structural parallels between Genesis 1 and 2. Origins 16:49-68; (c) Younker RW. 2000. Genesis 2: a second creation account? In: Baldwin JT, editor. Creation, Catastrophe and Calvary. Hagerstown MD: Review and Herald Publishing Assn., p 69-78.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...